Visualizar Artigo

Conheça a profissão: Engenheiro Eletricista

Quinta, 23 Novembro 2017
Profissões
Tamanho da Fonte

O Engenheiro Eletricista é um profissional de grau superior que se dedica ao planejamento, construção e manutenção de sistemas para gerar, transmitir e distribuir energia elétrica.

Usinas, subestações, linhas de transmissão, telecomunicações, construtoras, indústrias que utilizam ou fabricam sistemas elétricos e de automação são alguns exemplos de empresas que utilizam os serviços desse profissional. Outros setores, como financeiro e informática, também são opções de carreira para quem faz Engenharia Elétrica, devido à facilidade com as ciências exatas.

A Engenharia Elétrica, assim como as demais engenharias, é uma carreira em alta no País.

Salário Mínimo Profissional do Engenheiro Eletricista

De acordo a Lei 4.950-A/66, de 1966, que regulamenta a remuneração dos profissionais diplomados em Engenharia, Química, Arquitetura, Agronomia e Veterinária, a tabela salarial do Engenheiro Elétrico está vinculada ao valor do salário mínimo vigente e à jornada diária do profissional, independentemente do seu local de atuação.

Jornada de 6 horas: 6 salários mínimos

Jornada de 7 horas: 7,25 salários mínimos

Jornada de 8 horas: 8,5 salários mínimos

 

Média Salarial do Engenheiro Eletricista

A Engenharia Elétrica está entre as profissões mais bem pagas do Brasil, com salários iniciais acima dos R$ 4.000,00.

Seguem algumas médias salariais nacionais de engenheiros eletricistas divulgados na pesquisa salarial do site de empregos Catho:

Trainee em Engenharia Elétrica: R$ 3.688,61

Analista de Engenharia: 3.270,74

Coordenador de Engenharia: R$ 8.160,53

Já a Tabela Salarial da consultoria Robert Half, publicada na revista Exame, leva em consideração o tempo de experiência do profissional e o porte da empresa onde atua. Nos setores de Óleo e Gás, Engenharia e Tecnologia da Informação (TI), que costumam contratar engenheiros elétricos para diferentes funções, temos as seguintes faixas salariais para profissionais com 6 a 9 anos de experiência, em empresas de grande porte:

Engenharia:

Gerente de Produção: R$ 9.000,00 a R$22.000,00

Diretor de Supply Chain: R$ 24.000,00 a R$ 40.000,00

Diretor de Operações/Industrial: R$ 25.000,00 a R$ 40.000,00

Óleo e Gás:

Engenheiro de Serviços: R$ 11.000,00 a 15.000,00

Gerente de Operações: R$ 26.000,00 a R$ 32.000,00

Gerente de Engenharia: R$ 22.500,00 a R$ 27.000,00

TI:

Diretor de TI/ CIO: R$ 26.500,00 a R$ 40.000

Gerente de Infraestrutura/Telecom: R$ 17.000,00 a R$ 26.000,00

Gerente de Serviços/ Operações: R$ 15.500,00 R$ 23.000,00

 

Sobre a carreira de Engenharia Elétrica

A profissão de engenheiro é regulamentada no Brasil desde 1933. Para exercê-la, é necessário fazer o curso superior de Engenharia, com duração média de cinco anos, e obter registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA).

É difícil pensar em uma indústria que, nos dias de hoje, não necessite de eletricidade para operar. Praticamente todo produto manufaturado, desde a indústria agropecuária até a alta tecnologia, como satélites e aeronaves, depende da energia elétrica e, consequentemente, de engenheiros eletricistas capazes de desenvolver sistemas variados. Entre eles, podemos citar:

Sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Sistemas de controle e automação

Sistemas de instrumentação

Sistemas eletrônicos analógicos e digitais

O profissional da Engenharia Elétrica pode atuar em órgãos governamentais (como agências reguladoras, ministérios, secretarias e instituições municipais, estaduais e federais), como docente e pesquisador em universidades e também na iniciativa privada. Telecomunicações, telefonia, construção civil, manutenção industrial, tecnologia da informação (TI), minas e indústria petrolífera são alguns dos setores que empregam engenheiros elétricos ou engenheiros eletricistas.

O mercado para o engenheiro elétrico ou engenheiro eletricista é promissor no país. Grandes obras de infraestrutura, investimentos no setor de energia renovável, a expansão industrial e das telecomunicações são alguns dos fatores que têm influenciado na demanda crescente por bons profissionais da engenharia elétrica que, dependendo do cargo, podem chegar a receber salários de mais de R$ 40.000,00.

Apesar de formar cerca de 38 mil engenheiros por ano, ainda se fala em escassez de mão-de-obra qualificada em Engenharia para atender as necessidades do mercado. De acordo com pesquisa da Federação Nacional dos Engenheiros, até 2015 o Brasil vai precisar de mais 300 mil engenheiros.

 

Onde estudar Engenharia Elétrica

Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer o curso de Engenharia Elétrica:

Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA) 

Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)

Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)

Universidade de Franca (UNIFRAN)

Universidade Estácio de Sá (UNESA)

Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Faculdade Unime (UNIME) – na Bahia

Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS) – em Minas Gerais

 

Fonte: http://www.guiadacarreira.com.br

Gostou? Compartilhe este artigo!

 Comentários
 Artigos em Destaques
  • Quarta, 31 Julho 2019

    Celebramos os discursos mais poderosos proferidos por grandes mulheres que nos inspiraram ao longo dos anos – e mudamos nosso mundo para melhor.

  • Quinta, 18 Agosto 2016

    Você é daquelas pessoas que senta no computador determinado a terminar (ou começar) aquele relatório importante para seu chefe e depois de cinco minutos já está indo checar o Facebook ou o email? Se identificou com o perfil? Veja como combater isso.

  • Quinta, 21 Julho 2016

    Pensando no velho e no novo. Dentre tantos artigos que escrevo, talvez este tenha sido o único que me fez pensar muito no velho e no novo, até mesmo no escritório da Educar e Transformar, no porquê nos comportamos de forma tão entranha no mercado de trabalho, diferente muitas vezes do nosso comportamento na vida particular, inclusive diferente de tudo que pregamos como RH, gestores e como seres humanos, infelizmente.

  • Segunda, 19 Janeiro 2015

    Você está procurando emprego? E enquanto faz isto, fica postando em redes sociais? Muito cuidado: uma coisa pode atrapalhar a outra. As redes sociais tem sido usadas para obter percepções sobre quem você é fora da sala de entrevistas, e dependendo do tipo de postagem que você faz, isto pode significar sua exclusão do processo seletivo.